​Projeto de lei torna obrigatório exame de trombofilia no SUS

Medida de Patrícia Bezerra previne a trombose, que se não tratada, pode levar à morte


No último dia 7, os vereadores de São Paulo aprovaram o projeto de lei Nº 320/2015, de autoria da vereadora Patrícia Bezerra, que dá direito ao exame para diagnóstico e tratamento da trombofilia no Sistema Único de Saúde (SUS).


A trombofilia é uma propensão genética para a trombose, que, se não diagnosticada com antecedência, pode trazer problemas sérios a saúde, como embolia pulmonar, infarto e até a morte. 
O uso de anticoncepcionais e reposição hormonal aumentam a possibilidade de trombose em mulheres que possuem trombofilia, o que também ocorre com a gestação.


Por isso, pela medida, o SUS deverá realizar o exame de maneira preventiva, antes da primeira prescrição de anticoncepcional e de reposição hormonal, e como condição obrigatória no pré-natal.  
Estudo realizado pelo hospital das clínicas de São Paulo revelou que de 150 mulheres que tiveram problemas na gestação com aborto, morte do bebê e pré-eclâmpsia, 60% tinha alguma forma de trombofilia. 


“Muitas mulheres e gestantes têm sofrido com trombose, sem saber que ela poderia ter sido evitada com o exame preventivo. No sistema de saúde privado o exame já está disponível, no SUS, ainda não havia esse procedimento. Como vereadora, não posso aceitar que a vida de milhares de mulheres e crianças sejam colocadas em risco, porque o SUS não realiza o exame preventivo. Esse projeto é justamente para acabar com essa injustiça social”, explica Patrícia Bezerra.